TEXTO CURATORIAL DE LUCAS BENATTI

A natureza de Liane Abdalla não remete apenas à natureza-natural, ou à presença de traços puros, intocados pela cultura. A natureza de seus trabalhos também é uma forma de dizer sobre si, é a natureza compreendida como os traços particulares de alguém, como a essência, como a personalidade, como aquilo que é único e pessoal.

Não é apenas uma oposição ou negação da natureza-natural, mas uma busca ou um processo de reencontro com essa natureza, que remete aquilo que é próprio de si mesma. Esse procedimento se evidencia em sua série “Florestas”, em que a artista recria cenas e paisagens de bosques e árvores com pequenos pontos. Essa é uma tarefa que requer uma temporalidade contemplativa, desacelerada. A imagem vai se formando aos poucos, nesses encontros de pequenas partes. O todo é apenas uma impressão (como em um remonte à arte impressionista).

O depósito da tinta com o ponto, esse primeiro elemento formal, a menor partícula indivisível, a origem das demais formas, expressa essa busca da artista pela essência das coisas. Um ponto será, eternamente, um ponto, pois não existe nada que o antecede. A compreensão dessa gênese é importante para o trabalho de Liane Abdalla, que irá reviver essa busca em outros momentos, como em suas obras que remetem à arqueologia brasileira, e ao mundo ancestral das pinturas e do grafismo. É um retorno ao sujeito, mas também um retorno histórico à gênese da produção artística.

bosque4-750.jpg

Esse procedimento é igualmente muito bem explorado em sua série “In Natura”. Como essa artista nômade que retorna as origens da expressão humana, Liane Abdalla decide criar e compor com as coisas que encontra pelo seu caminho, incorporando em suas obras folhas secas, galhos, sementes etc. O resultado final desse procedimento me remete as colagens cubistas.

Já em sua série de pinturas de paisagens, a artista aproxima-se de uma linguagem onírica, introduzindo um mecanismo de acesso ao inconsciente, nas camadas menos conhecidas do Eu. São sonhos, fantasias, talvez delírios que se permitem descolar da realidade e da concretude para viver (e vivenciar) horizontes de possíveis.

paisagem11-2000.png

Ainda ligada às estruturas mentais e aos pensamentos, visualizo em sua série “Linhas” um encontro com as experiências concretas e as trajetórias de vida. As imagens dos sulcos das árvores, que revelam seu tempo e sua história, ou os caminhos das águas de um rio, também são analogias ao percurso e a história de vida da artista, e a construção do seu Eu.

Na arte de Liane Abdalla, a natureza é um caminho, uma ponte para que a artista encontre e narre sua própria história. É menos uma leitura literal sobre árvores, flores e paisagens, e mais sobre o que esses elementos podem indicar a respeito da sua trajetória, da sua personalidade.

Curador Lucas Benatti

agua-750.jpg